Vou-vos mostrar uma coisa, mas têm de prometer que não se riem. Principalmente de mim!
Na última quinta-feira, tive Rally Tascas. E como faltei a todos os eventos relacionados com a praxe no primeiro semestre, quis ir a este. Não fui trajada (pelo que é fácil reconhecer-me aí…) porque a saia está toda descosida até ao rabo. E não queiram que explique pormenores porque, aí sim, iam rir muito. 
Das fotos que foram tiradas ao meu grupo, três foram assim bem de seguidinha e permitiram fazer uma animação. E aqui está ela.
E porque é que vos estou a mostrar isto? Porque muita coisa pode ter mudado, mas tenho um orgulho enorme em muitas das pessoas que aparecem nesta animação. E é um orgulho olhar para ela e pensar que apenas 4 pessoas têm mais matrículas que eu (estamos sentados de acordo com a ordem de matrículas) e que tudo o resto, que está abaixo de mim, teve o meu contributo para se tornar no que é hoje. 
E quer queiramos quer não, estes momentos são daqueles que iremos recordar sempre. Porque isto também faz parte da vida académica. Orgulho até naquela criatura que parece estar sempre a dizer pão, de mão no ar. Criatura que me dá muitas dores de cabeça, mas que é o melhor afilhado de sempre.
E “porque estamos aqui para honrar e Psicologia servir”.
(PS: eu sei que há um pequeno ódio na blogosfera – principalmente nos blogs de moda – no que diz respeito a trajes e a praxe. o traje é pouco feminino? é sim. não é nada favorecedor? pois não. os sapatos são feios? são. mas o orgulho é imenso. e por isso, mesmo que não se goste, há que aceitar os gostos dos outros e reconhecê-los como válidos.)