Não sei quantos são os seguidores que tenho aqui que vêm do sapo. Não sei sequer quantos acompanham o blog desde o início, desde há três anos e uns mesinhos. Nem quantos abandonaram a “jornada” a meio ou quantos se juntaram a meio… 
Mas para quem conhece do sapo, sabe que o meu blog nem sempre teve este rumo. Nem sempre foi mais direccionado para moda, para compras, para viagens, para o rumo que tem agora. Era muito mais pessoal, muito mais sobre mim, muito mais sobre o que me apetecia escrever. Sobre o que me ia no coração.
E ultimamente, dou por mim a pensar onde é que hei-de escrever sobre o que me matuta na cabeça… Porque acho que, às vezes, já não há espaço para isso aqui, no malmequer. Mas por outro lado, este é o meu cantinho. É aqui que desabafo e é aqui que sinto vontade de expor tudo. Seja fiel à realidade ou não, é aqui que me apetece sempre depositar o que sinto.
E por isso, vou voltar a esse rumo. Não deixarei o rumo que há neste momento de lado. Adoro o rumo que o meu blog tomou e adoro a minha visita diária às fontes. Adoro percorrer sites de moda, de lojas, os vossos blogs e enriquecer-me com todas as dicas sobre o mundo que nos fascina a uma grande parte de nós. Simplesmente, vou pôr-lhe um pouco mais de mim… Do meu coração e das minhas emoções.
Isto tudo porque hoje apetece-me falar-vos do medo. Porque há um medo terrível em mim e que me inquieta há uns longos meses. Mas depois deste testamento todo, acho melhor deixar isso para outro post…