Deixámos o melhor para o último dia. Ainda nos ficou a faltar visitar muito – é certo. Mas volte as vezes que voltar ao Porto, haverão sempre sítios que irei revisitar. E o Domingo foi para isso mesmo – voltar aos sítios onde já fui feliz. E onde voltei a ser (ainda mais) feliz.

Nos fins-de-semana pelo Porto, a visita pela Fundação de Serralves é sempre guardada para os domingos de manhã. Até às 13h a entrada é gratuita e têm acesso ao museu e ao parque da fundação. 
Para quem não conhece o espaço, assemelha-se aos Jardins da Gulbenkian, que temos por Lisboa, e é igualmente maravilhoso. Com mais de 200 espécies de plantas e com vários percursos a fazer, é uma manhã muito bem passada! E depois de o conhecer em pleno Inverno, foi um prazer voltar lá em plena Primavera – embora as minhas alergias tenham dado pela diferença.
Um dos locais que só encontrei nesta terceira visita à fundação foi a Casa de Chá de Serralves, bem ao lado do antigo campo de ténis da Casa de Serralves. Tem uma decoração muito detalhada e uma esplanada onde apetece passar horas em boa companhia. 
Tem menus específicos para cada hora do dia e uma lojinha gourmet onde encontram compotas, vinhos regionais, bolas e bolos caseiros. Se visitarem o espaço durante a semana têm também refeições ligeiras ao almoço e lanche! De terça a sexta-feira, se almoçarem na casa de chá, a entrada no parque é gratuita! O valor do bilhete é descontado numa refeição de valor superior a 6€!

Nesta altura do ano, encerra às segundas mas está aberto de terça a sexta das 12h às 18h30, e das 10h às 19h30 de sexta a domingo. Com sorte (ou bom planeamento!) ainda apanham um workshop de biscoitos ou de cocktails ou uma sessão de leitura de algum autor.

E deixámos o melhor para o final – o regresso à Casinha. Com o Intercidades a sair ao final da tarde, ainda tivemos tempo para uma paragem perto da Casa da Música para me deliciar com uma groselha bem fresquinha e para levar dois pedaços de brownie para a viagem. 
Continuo a adorar a imagem desta boutique e aquela esplanada que nem parece saída do meio da cidade. É dos espaços que quero sempre trazer comigo para Lisboa e tê-lo ali pertinho para, sempre que me apetecer, ir comer uma fatia daquele cheesecake de frutos vermelhos maravilhoso!
Fico sempre a querer experimentar o brunch da Casinha, mas há sempre algo que me troca as voltas e que me leva apenas ao lanche… E tal como o brunch da Casinha, houve muito mais que ficou por visitar… Muitas sugestões vossas que eram óptimas e muitos sítios que estavam no mapa mas que ficaram para trás. Acho que isto só pede um regresso rápido à Invicta!
Mas ainda assim, tenho dois sítios especiais guardados para um último post sobre a cidade. Um sítio já meu conhecido e uma novidade para mim – mas que irei, de certeza, regressar. Mas fica para daqui a uns dias…