Há uns bons anos que o dia dos namorados tem um enorme significado para mim. Como já demonstrei pelo facebook do blog e afins, é uma data que não me diz muito como dia de S. Valentim. Acho que o amor pela cara-metade deve ser transmitido todos os dias, em momentos espontâneos e em miminhos genuínos. Não em dias pré-estabelecidos com rotinas pré-feitas.
Mas o meu dia 14 de Fevereiro tem sempre um gostinho diferente. E já nem sei há quantos anos… É o dia de aniversário “da outra” Inês da minha vida. Por ela já passei a vergonha de lhe decorar o cacifo do secundário e acharem que era romantismo do dia. De querer comprar uma flor e só me impingirem as típicas rosas vermelhas. De querer um postal e só haver corações e cupidos. Mas faz parte do dia e do saber gerir o aniversário dela.
Não há pessoa que me conheça como a Inês. É aquela pessoa que basta eu pestanejar e ela sabe o que isso é. Que me lê sem eu falar sequer, que termina as minhas frases e que planeia coisas comigo que só nós percebemos. A que partilha momentos e segredos só nossos e que sabe de confidências que nem a minha almofada sabe. É aquela pessoa que alinha em tudo o que eu lhe peço e que, se for preciso, ainda pede por mais. É aquela amiga que planeia, comigo, como será a nossa vida num lar de idosos, com cadeiras de rodas electrónicas e corridas pelos corredores – true story!
A Inês é aquela pessoa que esteve sempre, lado a lado, em todos os momentos da minha vida. E não a trocaria por ninguém deste mundo. Porque se todos temos a nossa cara-metade, eu acredito que a Inês é uma das minhas. Por todos os defeitos que temos, por todas as discussões, mas acima de tudo, por toda a empatia e toda a cumplicidade que existe entre nós. É a minha irmã morena. A minha Inês! 
Por isso hoje, é o dia dela. É o dia de rumarmos a Campolide e nos enchermos de sushi até a barriga rebentar. É o dia de a encher de miminhos e de lhe dar os meu – os nossos são sempre originais – postal de aniversário. Tudo para que o dia seja o melhor possível. 
E é mais uma a fazer 23 anos nesta semana! Parece que em 1989 a fornada desta semana resultou toda em meninas chamadas Inês! E duas delas vieram parar à minha vida. E eu sou tão grata por tal!