Uma das questões que mais regulamente recebo é sobre o tipo de calças que uso. Que modelos uso, onde compro, como sei quais em assentam bem… E, por norma, vou dando resposta a estas questões por mensagem, de forma individual.
Bem sei que é uma saga encontrar calças decentes quando não se tem um corpo magro ou quando, como eu, se veste 36 em cintura e 40 em rabo e pernas. Ou ficam a boiar na cintura, ou ficamos com umas coxas super apertadas e desconfortáveis.

Hoje partilho convosco a minha experiência: o que prefiro, o que acho que assenta bem no meu tipo de corpo e como sugiro que vão às compras.

1. O tipo de corpo e os cortes de calças.

Se, como eu, têm um corpo em forma de pêra, acredito que já tenham descartado um sem fim de tipos de calças porque acham que não vos assenta bem. Mas nada como experimentar vários modelos e em várias lojas, até que percebam o que realmente vos faz sentir confortáveis – muito além do que a sociedade diz que pode ou não ficar bem.

Dou-vos o meu exemplo: eu percebi que as calças com um corte mom jeans ou a direito são aquelas em que me sinto mais confortável e são aquelas para as quais eu gravito sempre. Já sei que skinny jeans não me deixam confortável e que, por muito que eu goste, nunca irei usar calças de pele ou latex. Mas apenas por um motivo: porque não me sinto confortável nelas.

2. Não ter medo dos tamanhos.

Por vezes, para que umas calças me assentem melhor nas pernas, tenho que comprar um tamanho acima. E não há mal nenhum nisso: é apenas um número ou uma letra num pedaço de tecido preso às calças. Tal como também pode acontecer o oposto: nestes saldos comprei umas calças que são o 38 e me assentam na perfeição. Por terem um corte mais baggy, assentam lindamente nas pernas e deixam espaço na cintura até para poder ir almoçar ao Mano a Mano sem me queixar da barriga inchada a ficar vincada nas calças.

A saga das calças de ganga. - Malmequer

3. Experimentar, experimentar, experimentar!

Com o passar dos anos, percebi que não posso mesmo comprar calças de ganga em lojas online! Preciso sempre de ir às lojas físicas experimentá-las. Porque se há lojas onde entro num 38, há outras em que um 42 me fica apertadíssimo. Os modelos mudam e os próprios tamanhos não tão exatos de loja para loja.

Aprendi que as que me assentam melhor são as da Pull & Bear, que as da Zara vão alargar todas com o passar do tempo e que as da Mango têm que ser sempre o tamanho acima. É claro que podemos falar de ganga a sério e ir até uma Levi’s. Mas sinto que é sempre tão complicado vestir-me em calças cujo tamanho não é com a métrica normal, que ainda nem arrisquei. Talvez seja o próximo passo!

Fotografias: Márcia Soares
Calças Pull & Bear • Tshirt Le Mots • Blazer e Puffer C&A • Botas Mango •  Bolsa Bimba y Lola

4. Fazer da costureira a nossa melhor amiga.

Eu sei que já vos disse que não vale a pena comprar peças que não nos assentam que nem uma luva, especialmente na altura dos saldos. A exceção é aqui: nas calças de ganga. Pelo menos é para mim porque eu sei que vou ter sempre que as apertar na cintura. São raras as vezes em que saio da loja e posso usá-las no dia seguinte – e eu já sei viver com isso.

Felizmente, o facto de ter uma mãe que tem uma retrosaria facilita-me muito este passo porque tenho alguém de confiança e que conhece o meu corpo a tratar dos meus arranjos todos. Procurem alguém que seja igualmente de confiança, para vocês, e que vos trate de todos os arranjos que possam precisar. Porque, na verdade, se eu não tivesse esta ajuda, nunca conseguiria comprar umas calças de ganga – porque, simplesmente, não existem calças com o corte que eu gosto adaptadas ao meu formato de corpo.

Acima de tudo lembrem-se que não há dois corpos iguais. Nem sequer duas pessoas que tenham os mesmos gostos exatos. Alguém com o meu corpo pode amar usar skinny jeans – e está tudo bem! O que importa é que se sintam confortáveis. E quando falo de conforto não é apenas físico, mas sim convosco, com o que encontram no espelho. A vossa opinião e o vosso feeling acima de tudo.

Boas compras!