E eis o post sobre o segundo dia da viagem que fiz a Londres. Depois do post do primeiro dia, recebi alguns e-mails com questões, que espero que fiquem respondidas neste e no post do último dia da viagem.
Vamos passear mais um pouco por Londres? Sigam comigo!
1. Fachada do Lancaster Gate Hotel // 2. Típico English Pub em Queensway, com Fish&Chips

Uma das características da fotografia analógica é nunca sabermos qual o resultado das fotografias. E tanto poderá correr bem, como sair um autêntico fiasco. E, sábado de manhã, mal saio do hotel, resolvi fotografar a fachada do mesmo para vos mostrar o quão bonito ele era. Mas, por ser a primeira fotografia do rolo, saiu meio queimada e com feixes de luz que me “estragaram” completamente a fotografia. Mas, seja como for, conseguem perceber, pela primeira foto, que a fachada do hotel era mesmo bonita.
Ficámos instaladas no Lancaster Gate Hotel, a 5 minutos a pé da estação de metro de Lancaster Gate e de Queensway (rua com imensos restaurantes e zona comercial). Não podíamos ter ficado melhor instaladas. Ficámos num quarto duplo, com imenso espaço, ar condicionado e uma casa de banho muito boa – de ressalvar que até o chuveiro era bom, o que não acontece em todos os hotéis! O pequeno almoço era o típico english breakfast, servido em buffet, com tudo o que o caracteriza: feijão, ovos mexidos, bacon, cereais, leite, vários tipos de pão, croissants, fruta, sumos e chá, chá chá! Claro, é impossível ir a Londres e não beber chá até à exaustão!
Apenas encontramos um senão no hotel – a internet era wifi mas paga, com um valor de 5£ por 24h. Se nos fez falta…? Talvez. Mas Londres é a cidade em que encontram internet em qualquer café, sem precisarem de pagar.
Mas voltando ao dia de sábado… Este era o dia que levámos mais bem definido já de Portugal. Sabíamos que era o dia dos mercados e que seria o dia de levantar bem cedinho para conseguir dar um saltinho a todos. Primeira paragem: Mercado de Portobello.
1. Portobello Road // 2. Notting Hill // 3. As casas coloridas de Notting Hill // 4. Cute shops @ Portobello Road // 5. Quem não queria uma casa com porta cor-de-rosa? (pela Beatriz) // 6. Mercado de Portobello // 7. Nas imediações de Portobello Road
Portobello era um dos locais que eu tinha mais curiosidade em visitar. Quando estive lá da primeira vez, não consegui conhecer a zona de Notting Hill e sabia que desta vez não poderia escapar. O Mercado de Portobello realiza-se todos os sábados de manhã e está sempre cheio de gente. É super fácil lá chegar, já que saindo da estação de metro (Notting Hill, na linha vermelha, a Central Line) existem placas a assinalar o caminho para o mercado. Mas mesmo que não existissem, bastava ir atrás da multidão.
E é tão fácil de perceber que chegaram ao local certo quando começam a ver as casas coloridas, uma de cada cor, sempre em tons pastéis e parece que a combinar. Para quem gosta de sítios calmos e bonitos para viver, é de soltar suspiro atrás de suspiro… Apetece entrar em todas as casas e viver ali, de tão bonitas que são!
Ao longo do mercado podem encontrar de tudo: desde souvenirs de Londres, a quadros, malas, joalharia, máquinas fotográficas (que me prenderam a atenção durante longos minutos!), flores e até comida. É claro que também encontram lá as lojas mais bonitinhas. É aqui que encontram, por exemplo, a loja da Cath Kidston – que estava cheia como um bom sábado de Dezembro pede! 
Se quiserem visitar o mercado, planeiem uma manhã inteira. É muito extenso e tem imensas perdições. Não dá mesmo para ver a correr e merece ser visto com calma e com atenção. 
1. & 2. Camden Town
A segunda paragem foi Camden Town (na linha preta, Nothern Line), para visitarmos também o – tão conhecido – mercado de Camden. Para mim, não é tão apelativo quando o mercado de Portobello, que prima pela sua beleza e simplicidade. Mas é óptimo ver a diversidade cultural que há neste mercado. Conseguem encontrar pessoas de todos os estilos, vestidas da mais diversa forma, sem serem olhadas de lado ou sem sequer terem pudor em andar de forma diferente dos restantes.
É um óptimo local para comprar souvenirs, já que as lojas de recordações londrinas são mais que muitas. Se visitarem o mercado todo, a certa altura, apercebem-se que é mais do mesmo e que as bancas em si não variam muito. Mas vale bastante a pena conhecer, nem que seja pelo bom ambiente e pelo factor diferença que há neste mercado. Já para não falar que é visita obrigatória em qualquer roteiro da cidade!

1. Covent Garden // 2. Restaurante do Jamie Oliver em Covent Garden
Por último, fomos a Covent Garden. Depois de uns desvios e de andarmos a passear por outras zonas da cidade, apanhámos a linha azul (Piccadilly Line) até Covent Garden e eis que chegámos ao último ponto para ver no nosso roteiro de sábado. Embora já tenhamos chegado de noite (há que ressalvar que, nesta altura do ano, Londres anoitece por volta das 16h30, o que dificulta as fotografias), todo esta zona é muito bonita. E, como o resto da cidade, iluminada com as decorações do natal, fica ainda mais bonita.
É aqui que podem encontrar um dos restaurantes do Jamie Oliver, da sua cadeia de restaurantes Union Jacks. É ao ar livre e, pelo que conseguimos ver, arranjar mesa é uma tarefa árdua. No entanto – e como quase todos os restaurantes na zona de Covent Garden – os preços chegam a ir às 20/25£ por pessoa, não sendo das zonas mais acessíveis para refeições. 
1. Típica estação de metro Londrina
Uma das coisas boas de Londres, como já vos disse no post sobre o primeiro dia, é que todos estes locais ficam super perto quando andamos de metro. Comprando o bilhete diário conseguem chegar a todos os locais da cidade, mesmo que tenham de saltar de linha em linha. Por isso, não se preocupem em fazer um roteiro que alcance vários pontos da cidade porque, garanto-vos, conseguem ir a todos num piscar de olhos!
Mais uma vez, obrigado Interpass Club pela oportunidade de me encantar, mais uma vez, por esta cidade. Nunca me cansarei dela. 
__
Todas as fotografias deste post podem ser vistas aqui, no meu flickr.