Em maio, recomendei-vos algumas séries que eu estava a ver – até reutilizei a imagem para este post, no shame. E depois de ter algum #metime durante os últimos dois meses, durante a ausência aqui do blog, acho que está na altura de vos dar mais umas dicas. Tenho perdido mais tempo a ver séries e há umas coisas muito boas por aí!

The Handmaid’s Tale
É, sem dúvida, a minha série do momento. Já vi tudinho e apetece-me repetir. Merece todos os Emmy’s que ganhou e para os quais foi nomeada.
Sobre um futuro distópico onde as mulheres são inférteis, um grupo ditador e religioso rapta as poucas mulheres férteis que existem para lhe dar apenas um fim: procriar. É violento, custa pensar que pode ser realidade daqui a uns tempos, mas está tão bem realizado e tão bem produzido que não dá para não querer devorar a série por completo. Estou desejosa de pegar no livro! Maravilhosa!

Atlanta
Ora… Se me acompanham pelo Instagram (@mafalda_beirao) já perceberam que estou obcecada pelo Donald Glover, também conhecido por Childish Gambino. E devorei a série Atlanta – em dois dias, vi os 10 episódios. Realizada, produzida e protagonizada por ele mesmo, a série fala da realidade de crescer como afro-americano na cidade de Atlanta – de ontem vêm vários nomes da música e do cinema. É uma série genial, com um humor único e com um drama que lhe dá aquele twist perfeito. Vejam. É levezinha e muito boa de se ver!

Dear White People
Uma série daquelas levezinhas que se vê numa tarde de sofá. É da Netflix e é uma satírica americana  com 10 episódios. Todos eles giram e torno de uma personagem diferente e fala-nos muito da questão do racismo e do white previlege. Não é uma série para toda gente e depende muita da forma como o encaram. Afinal, é um grupo de afro-americanos que falam das desvantagens todas que têm em viver num mundo dos brancos. Mas se o virem apenas com uma série, encarando o tema sem ataques pessoais, é bem gira de se ver! Eu gostei muito!

Atypical
Esta é, sem dúvida, para os meus colegas de formação, para todos os psicólogos e psicólogas. É uma série de comédia, mas onde o protagonista sofre de autismo. Acaba por ser um pouquinho de humor negro, com o seu quê de carinhoso… Sam é um autista de 18 anos, no auge do seu ensino secundário, que é totalmente obcecado pela Antárctica e que assume aos pais que está na altura de começar a namorar. E a partir daí, dá-se toda a série. Os seus amores e desamores, a família quase disfuncional, a irmã que o odeia mas faz tudo por ele… É mais uma série de sofá ao domingo à tarde. Mas daquelas que enche o coração e nos deixa com bom feeling

The Handmaid’s Tale foi a última que vi e sinto que preciso de algo levezinho que não me sugue tanto – embora a tenha adorado. O que me recomendam? 🙂