Parece que, finalmente, entrei nos eixos e me dediquei como deve ser às estreias cinematográficas. As idas ao cinema têm sido mais constantes e mesmo por casa têm sido mais os serões que passo a ver filmes. E, por isso mesmo, trago quatro dos últimos filmes que vi e que acho que merecem recomendação. 

1. August: Osage County – Fui ver este filme por recomendação de uma colega de trabalho. Supostamente seria algo que, como psicóloga, iria adorar e que me iria surpreender pela positiva. E ela não podia estar mais certa. Depois da morte do patriarca desta família, tudo quanto é loucura vem ao de cima. Vemos a interacção de uma família tremendamente psicótica, cheia de falhas mas tão real ao mesmo tempo. Foi mesmo uma óptima surpresa e ainda me levou umas quantas gargalhadas pelo meio.

2. The Grand Budapest Hotel – Como ansiava pela estreia deste filme. Está recheado de bons actores: Jude Law, Edward Norton, Adrien Brody, Bill Murray, Willem Dafoe, Tilda Swinton… E retrata toda a história de um concierge do hotel, com todas as suas aventuras e como um simples lobby boy se transforma no seu fiel companheiro. Entre mortes, heranças e roubos, 1h40 de filme passa a correr! 
3. The Amazing Spider-Man 2 – Se à partida este é o meu tipo de filmes? Nem por isso, mas foi uma boa surpresa. Sem dúvida alguma que a dupla Andrew Garfield e Emma Stone é mil vezes melhor que o Tobey Maguire e a Kirsten Dunst. Há uma química natural entre eles que torna tão fácil prendermo-nos ao ecrã. Além disso, o filme está com uns efeitos visuais magníficos, embora tenha um argumento demasiado cheio. Aborda muito bem a questão das emoções e das ligações humanas, embora seja sempre uma história da Marvel com todos os vilões e heróis que lhe são característicos.
4. Enemy – Quando li que este filme é uma adaptação d’O Homem Duplicado, de José Saramago, achei que tinha de lhe dar uma hipótese. E sim, tenho que admitir que fiz batota porque o filme só estreia por cá em Junho – o mundo ilimitado da internet. É um thriller que mostra um dia-a-dia rotineiro – da casa para o trabalho e do trabalho para casa. Até que um sósia num filme muda tudo. Torna-se obsessivo encontrar este homem. É um enigma absorvente que ou irão amar ou odiar – aqui não há meio termo!
Há por aí alguma novidade cinematográfica que me queiram recomendar?