Esta coisa dos detox não é de agora… Há uns tempos atrás as meninas do Style it Up e a Maria do The Beauty Routine aventuraram-se nesta aventura da Liquid. E hoje foi a minha vez – digo hoje porque decidi escrever este post ao longo do dia, para ser um relato exacto da minha aventura.

Depois de um fim-de-semana de CISV em que a alimentação rondou muito as batatas fritas e o salame de chocolate, a vontade de fazer uma limpeza ao organismo aumentou. E decidi que não podia passar desta semana. Mas com um jantar de amigas marcado para terça-feira, a quarta parecia-me ser o dia ideal. E a desculpa perfeita para me empanturrar de sushi na noite anterior, sem ter sentimentos de culpa. Afterall ficaria tudo limpo hoje. Por isso, sentem-se e recostem-se porque vem lá um longo relato.

Depois de preencher a ficha de inscrição que a Liquid envia por e-mail, ficou combinado que terça-feira iria levantar os meus sumos à loja das Amoreiras. Ao contrário das meninas que mencionei acima, decidi fazer um detox apenas de um dia. É menos eficiente – verdade – mas como nunca me meti numa aventura destas e o meu corpo nem sempre reage bem a estas alterações, preferi jogar pelo seguro e fazer apenas um dia de detox.

É importante que nos dias antes se prepare o corpo. Evitar a nicotina e a cafeína, evitar comer carne, beber muita água (se é que não o fazem já) e cortar nos hidratos de carbono e refeições pré-feitas. A partir daqui, já estarão prontos para uns dias de limpeza de organismo. Já durante o detox é importante que se mantenha o hábito de beber água – muita água ou não recomendassem eles 1litro por cada 14 kg! Ou seja, preparem-se para idas constantes à casa de banho.

E com todas estas indicações, o detox está pronto a começar. Quatro garrafas de 500 ml no frigorífico à espera da hora certa para serem bebidas.

O dia começou com um copo de água morna com sumo de limão que, honestamente, pensei que me fosse custar mais. Mas confesso que a caminho do trabalho (que graças à greve da Refer foi uma viagem de uma hora!) o meu estômago bem que roncou!

Chegada ao escritório está na altura de começar a beber o primeiro – o mais verdinho de todos! Alface, espinafres, salsa, limão, pêra, espirulina e maçã – o sabor que mais se destaca. E se aos olhos parece pouco apelativo, digo-vos que foi um óptimo começo e não custou nada a beber. Mas no final da manhã a fome já aperta. Como é permitido almoçar uma salada leve e “petiscar” cenoura, aipo e pepino ao longo do dia, já vinha preparada de casa! Meio dia e estou eu a roer uma cenoura que nunca me soube tão bem…

À hora de almoço uma simples (e pequena) salada de alface com rabanetes e um queijo fresco magro. À minha frente já está o segundo sumo do dia , com uma cor mais acastanhada e um ar (ainda menos) apetecível. Ao abrir a garrafa cheira-me a banana – o único ingrediente que considerei como intolerante. Não prevejo uma boa tarde… Mas não… Não tem cá banana. Tem maçã, aipo, pepino, gengibre e camu camu – que tem trinta vezes mais vitamina C que uma laranja. É estranho. Não é desagradável mas também não está a ser fácil de beber não…

Quatro da tarde e terceiro sumo! Este tem um ar mais esverdeado embora ainda se mantenha nos castanhos. Mas o pior mesmo é a entrega de uma caixa cheia de pasteis de nata mini cá no escritório… Caixa essa que é pousada bem aqui do meu lado… E enquanto isto vou comendo a segunda cenoura do dia, enquanto penso que sabe a pastel de nata…! Já o sumo é de laranja, abacaxi, maçã e wheatgrass – que me conquista só pelo cheirinho. Sabem aquelas papas que as mães fazem, com laranja, banana e bolacha Maria? É a isso mesmo que sabe! O meu favorito, até ver.

Depois de um dia longo, confesso que chegar a casa às 19h e ter mais um sumo para beber… Não é bem o que me apetece. Mas há que mentalizar que é o sumo com melhor aspecto e cheira-me que terá morango. E se aguentei o dia todo (sem ceder aos pasteis de nata!), não é a 5h do final do dia que vou ceder, right? E adivinhem, não é que este último tem mesmo banana…? Laranja, morangos, banana e alface, para terminar a saga. E olhem que a banana passa bem despercebida – e ainda bem, blerck. 

Terminado o dia, confesso: tenho alguma fome e não sei se aguentava três dias de detox. Mas também é certo que o primeiro dia é sempre mais difícil, por todo o processo de adaptação. No entanto não senti nada de fraqueza, dor de cabeça ou algum sintoma mais chato. Sinto-me bem, com energia e “mais leve”. Quase que diria pronta para mais um dia de detox… Posso é pecar e dizer que me apetece comer pizza. Mas não, acaba lá de beber o quarto suminho Mafalda…!

Se quiserem saber mais sobre a Liquid espreitem o facebook aqui ou enviem um e-mail para o liquiddetox@gmail.com – são super prestáveis e irão dar-vos todas as informações que me escaparam! Em Lisboa já podem encontrar a Liquid no Chiado e nas Amoreiras, mas também já a podem encontrar no Porto. Visitem! Mas para os que ficaram mesmo curiosos, passem cá amanhã… Estará uma surpresa à vossa espera!