Adormecer com ansiedade - Malmequer

Se esquecermos as crises de ansiedade e os ataques de pânico – que, felizmente, não são rotineiros – acho que a maior consequência da minha ansiedade é mesmo esta: a dificuldade que eu tenho para adormecer nos dias mais complicados.

Imaginem a situação. Estão a ter uns dias caóticos, cheios de trabalho, os olhos estão a rebentar e o corpo já pede descanso há muito tempo. Mas quando deitam a cabeça na almofada, simplesmente não conseguem adormecer. Isto para alguém que, normalmente, adormece em segundos… é complicado assimilar. E quando são dias a fio, torna-se uma bola de neve em que, inevitavelmente, os dias seguintes serão ainda de maior ansiedade apenas pelo cansaço.

Mas, como tudo nesta condição, criei alguns mecanismos e estratégias para o contrariar e para conseguir desligar (ou tentar!) a mente naqueles momentos antes de adormecer.

#1. // Largar o telemóvel.

A minha casa é um duplex e o meu quarto é no andar de cima – isto fez com que, nestes dias, eu criasse a minha própria regra de não mexer no telemóvel assim que subo as escadas. Quero passear no Instagram? Faço-o enquanto estou no sofá. Quero enviar aquele último e-mail? Faço-o amanhã de manhã. Quero distrair-me? Levo o meu livro para cima. Tudo o possível para desligar dos electrónicos e dos estímulos que só me deixam ainda mais alerta.

#2. // Criar uma rotina de sono.

Habituar o corpo a, eventualmente, começar a desligar não é fácil. Mas é algo que se treina. Eu sei que é fácil ficar no computador a acabar só mais uma tarefa ou a escrever só mais um artigo. E embora isto até possa facilitar o acumular de trabalho no dia seguinte, não deixa que o nosso corpo descanse o suficiente e, muito menos, que perceba que é hora de abrandar. Se hoje me deito às 23h00 mas amanhã só vou para a cama às 2h00 da manhã, deixa de existir essa cadência e o corpo nunca criará a rotina.

Permitam que o corpo se habitue que a hora X é a hora para adormecer e que a hora Y é para levantar. A rotina irá, eventualmente, surgir sem que sintam o desespero pela hora de descansar.

#3. // Ter cuidado extra com a alimentação.

Nos dias em que estou mais ansiosa, tenho tendência para me refugiar no chá – por ser reconfortante, sabem? Azar o meu que o meu chá favorito é o preto, que está cheio de cafeína e estimulantes que não me permitem descansar.

Mas não só – açúcares, sal, álcool… Tudo isto me deixa muito mais eléctrica e com a mente a mil à hora. Embora eu saiba que possam ser bons refúgios (i mean, pegar num chocolate quando estamos ansiosos? quem nunca?), pensando na consequência, acaba por não ser reconfortante.

#4. // Passar pouco tempo no meu quarto.

Há uns tempos, enquanto fazia uma meditação guiada diferente, apercebi-me de uma coisa. Quando sou levada a pensar num sítio que me acalme e que seja o meu porto seguro, penso no meu quarto. Podia pensar numa praia, num jardim, you name it. Mas o primeiro sítio que eu penso como o sítio onde me consigo sentir mais calma, é lá, sem dúvida.

Parece redundante que depois queira passar menos tempo lá? Pode parecer, mas não é. Estando eu numa fase de maior ansiedade em que sinto que as crises podem surgir a qualquer momento, eu não me quero isolar e afogar no meu quarto para que, eventualmente, o venha a associar a esse estado de mente. Quero que ele continue a permanecer o meu porto seguro e, com isso, não levar para lá os meus demónios, if you know what i mean.

#5. // Ter o meu momento Meredith Grey.

E o que é isto? Os fãs de Anatomia de Grey deverão saber do que eu falo, mas eu explico. A Meredith (juntamente com a Cristina) tinham o hábito de beber uns shots de tequilha, pôr uma musiquinha e dançar pela casa até não aguentarem mais. É isto – mas sem a tequilha, vá.

Eu vivo muito da e com a música. E pôr a minha música favorita enquanto danço pela casa, de algum modo, tem um poder meio relaxante em mim. Não quero saber se os vizinhos me acham maluquinha, mas sinto que me deixa bem mais calma e, inevitavelmente, acaba por me cansar mais ainda. Em última instância, até sinto que faço parte do elenco da série (#sqn né).

Claro que tudo o que partilhei convosco no último post sobre o tema, é igualmente válido. Meditar, relaxar os músculos, criar técnicas de respiração… Tudo isso é válido não só para o dia-a-dia, mas também para estas noites mais chatas.

Partilhem comigo: quais as vossas melhores tácticas para adormecer quando apenas o cansaço não chega?