Depois da Leandra Medine surgir com a já tão famosa Arm Party, cada vez mais vemos pulseiras giras, diferentes, com mil e uma cores que nos deixam os pulsos bem recheados. Mas eu, esquisita como sou, prefiro manter-me na simplicidade e acompanhar os meus Casio apenas com uma ou duas pulseirinhas simples. Talvez sejam side effects dos meus 16 anos, em que o meu pulso esteve bem recheado daquelas pulseiras plásticas coloridas durante um verão inteirinho. 
E quando não encontramos aquelas que nos enchem as medidas, que fazer? Comprar os materiais, puxar do jeitinho manual e atacar os DIY’s. E aqui estão as minhas meninas. Não estão bonitas? Estou especialmente viciada na das rosas, na da cruz e na do olhinho. Simples que só elas.
Mas vá, agora é hora de largar os trabalhos manuais e de me agarrar às obrigações académicas!…