… but my heart is in Budapest.

A minha experiência CISV’ica chegou ao fim. Pelo menos este ano… E acreditem ou não, este regresso a casa está a custar-me muito mais do que o regresso pós-erasmus. Parece estranho, mas é verdade…

Viver três semanas com 56 pessoas é inexplicável. Se por um lado pode dar aso a muitas confusões, por outro é impossível não se criar laços para a vida. Afinal, passamos 24h com as mesmas pessoas… E são mesmo 24h, excepto os pequenos minutos do banho. As refeições, as noites, as sestas, as actividades são todas passadas com as mesmas pessoas. Dentro do mesmo espaço – que era enorme! – e com as mesmas caras. Se se pode tornar cansativo…? Claro que sim. Se o foi? Nem pensar. E o certo é que entre adultos e crianças criámos uma família tal que a depressão pós-campo alastrou-se a todos nós. O regresso à vida normal está a ser muito complicado… Mas as viagens para matar saudades também já começam a ser marcadas. Para já ficamo-nos pelas longas sessões de skype, pelo uso de apps como whatsapp ou viber, ou pelas conversas intermináveis no grupo de facebook. 

E agora está na hora de voltar aqui. Já aproveitei os saldos, já tenho coisinhas novas para vos mostrar e quero dar-vos a conhecer um pouco da cidade de Budapeste – já que o último roteiro ficou no blog antigo. Não prometo assiduidade… Mas estou de volta, isso sim!