Book Club - Malmequer

Não sou de fazer resoluções no começo do ano, a 1 de janeiro. Acho sempre que o meu ano começa no meu aniversário e é aqui estabeleço o quero dos próximos 12 meses. Mas, por uma questão de calendarização e quase de organização pessoal, este ano quebrei essa norma e estabeleci apenas um objetivo no começo do ano: conseguir escrever mais e melhor. Não só para o blog mas, também, profissionalmente.

Como copywriter, senti que estava a ficar meio enferrujada e que precisava de criar normas para me habituar a escrever com a fluidez que antes o fazia. E são várias as técnicas e ferramentas que criei para o fazer – ler foi, sem dúvida, a mais importante. Apercebi-me que em 2017 li muito menos do que queria e do que gosto. Por isso, estabeleci que em 2018 iria ler, pelo menos, um livro por mês. Falhei fevereiro – graças ao Book Depository, mas já vos explico – mas estou, sem dúvida, muito mais regrada. E, hoje, partilho convosco as minhas últimas leituras e recomendações.

#1. // Norwegian Wood de Haruki Murakami

São poucos os livros de Murakami que ainda não li. Se tivesse que escolher um autor favorito, seria ele, sem sequer ter que pensar duas vezes. Sinto-me sempre totalmente absorta na sua escrita, naquela melancolia romântica que nos deixa totalmente sem esperança mas que nos faz querer continuar de coração partido. Mas estava há anos a adiar este… Um amor entre dois amigos que é marcado pela morte de uma pessoa em comum: o melhor amigo dele, Toru, e o ex-namorado dela, Naoko. E a prova de que o amor por vezes não chega, quando as pessoas divergem em caminhos diferentes, sem nunca deixarem o que os une para trás.

É melancólico, é triste e muito real mas também é uma valente lição de vida. Uma história cheia de primeiras vezes e experiências.

#2. // Call Me By Your Name de André Aciman

Uffff… Por onde começar? Li o livro depois de ver o filme – o que raramente faço. Sou céptica ao ponto de nunca ler um livro que vi o filme ou vice-versa. Mas aqui, sabia que tinha que ser. Amei o filme de tal forma que senti que queria vê-lo constantemente. E o livro foi uma extensão disso mesmo.

Demorou semanas e semanas a chegar… Comprei a versão inglesa (também para treinar o meu inglês) no BookDepository e acabou por chegar bem mais tarde do previsto. Estava tão ansiosa para o ler que não quis começar nada entretanto, com a esperança que este chegasse no dia seguinte. O plot já conhecemos: um rapaz, o Élio, que se apaixona pelo Oliver, um estudante americano que passa o verão em casa dos seus pais, em Itália. A atração, o amor, a tristeza e toda a relação que os dois criam é ainda mais intensa no livro. De tal forma que adiei imenso terminá-lo… Porque é uma autêntica montanha russa de emoções. Mas uma montanha russa linda, linda, linda.

#3. // Ensaio Sobre a Cegueira de José Saramago

Peco por ler muito pouco de autores nacionais. E tenho que confessar: Saramago só tinha lido na escola, quase por obrigação. Mas venderam-me este livro de forma tão convincente que não descansei enquanto não o comecei a ler. Estou a terminá-lo e é absorvente!

Quando uma epidemia ataca e todos cegam em branco, existe uma mulher que resiste sem cegar – a mulher do oftalmologista – e que se torna os olhos de todos quando tudo se torna ainda mais complicado. É a escrita de Saramago – ou se ama ou se odeia. Para mim, foi a escolha ideal para voltar à sua escrita.


SHOP THE POST


O que tenho na manga para os próximos meses? Tenho vários livros debaixo de olho. Quero ler O Segundo Sexo de Simone de Beauvoir, quero ler A Desumanização de Valter Hugo Mãe, quero ler Os Capitães de Areia de Jorge Amado… Mas aceito todas as vossas recomendações. O que me sugerem para os próximos meses?