O ano passado partilhei com vocês quais as resoluções para mais um ano de vida e, olhando para trás, vejo o quanto falhei em cumpri-las. Um dia depois de ter feito anos, faço essa análise e vejo que terminei o meu mestrado, regressei a Londres e só irei a Amesterdão já com 24 anos, e que aprendi a deixar tudo o que é mesquinho para trás. No entanto, a procura por uma vida mais saudável e o perder o medo continuam cá – talvez os dois pontos mais importantes.
Por isso, assim sendo, as resoluções para este novo ano de vida são:
1. Começar a correr – Chega de desculpas. De manhã os ginásios aqui perto ainda não estão abertos, ao final do dia já estou cansada para ir ao ginásio, não me apetece levar o saco no comboio para ir aos que há perto do trabalho… Blá, blá, blá. Já chega de desculpas! Está na altura de calçar os ténis e começar a correr. Se odeio correr? True. Mas nada como começar com umas caminhadas e ir aumentando o ritmo. Sempre ouvi dizer que o correr é algo que se aprende a gostar e que vicia. Espero poder dizer-vos o mesmo daqui a uns meses. 
2. Perder o medo – Mais um ano da mesma lenga-lenga. E só quero que desta seja de vez. 
3. Apostar numa pós-graduação – Os últimos tempos têm sido de imensa desmotivação. Se por um lado adoro o curso que tirei e não me vejo a fazer outra coisa, por outro, arrependo-me imenso da área que segui. A empregabilidade é nula e sinto que estou a remar contra a maré por não haver escolas que aceitem o meu estágio. A ideia de apostar numa nova área começa a ganhar contornos bem definidos… E acho que não farei nada mal.
4. Viajar a dois – Quero juntar o útil ao agradável. Quero juntar o amor com o amor pelas viagens. Quando temos alguém do nosso lado que quer conhecer o mundo, o nosso amor pelas viagens aumenta mais ainda. Começar por cidades pertinho, pelo nosso Portugal. Mas explorar o mundo. Há tanto para conhecer. E quando é em boa companhia, melhor ainda!
5. Aproveitar a vida – A meio de 2013 dou por mim a pensar que estou a aproveitar pouco este ano. O facto de ter começado a trabalhar e de ter 5 dias por semana ocupados, tornou-se uma rotina completamente diferente. E sinto que não estou a tirar o melhor proveito disso. E depois de perder um amigo na flor da idade, sinto que estamos sempre a mercê de algo. E, tal como ele, ainda tenho muito para viver e sei que o que fiz até hoje não chega. Por isso, vou fazer por aproveitar mais a vida!
Espero que para o próximo ano possa dizer-vos que cumpri tudo isto. Desta é para cumprir à risca. E no  próximo ano já será um quarto de século. Merece que as resoluções até lá sejam cumpridas!