10 anos atrás, o mundo dos blogs era verdadeiramente diferente do que vivemos hoje em dia. As redes sociais não existiam com tanta força e a maioria de nós escrevia o que lhes ia na alma sem almejar que um dia isto pudesse vir a ser profissão ou fonte de rendimento. A marcas não nos consideravam um meio de publicidade e nem nós, sequer, pensávamos que um dia iríamos influenciar alguém a alguma coisa.

10 anos depois, como vejo o mundo dos blogs? - Malmequer

Várias são as perguntas que vão surgindo ao longo do caminho. Achas que ainda faz sentido ter um blog? Porque não ficar só no Instagram? E o YouTube, quando chega? Achas que as pessoas ainda lêem, sequer? E como se ganha dinheiro dessa vida? Perguntas essas que, confesso, só posso ter uma resposta: a minha. E eu acho que isto é o ponto fulcral e essencial para tudo o que é feito no mundo blogueirinho – nada funciona se não for verdadeiro, se não for transparente e se não for honesto.

Há espaço para mais blogs? Para mais Instagrammers?

Eu continuo a acreditar que, neste meio, há espaço para todos os tipos de conteúdos e para todos os criadores de conteúdos. Mas é verdade que, mais do que nunca, é complicado sobressair e fazer diferença, especialmente se compararmos com o que tudo isto era há uns bons anos atrás. E, por isso mesmo, o que nos inspira, o que nós vemos, o que nos ouvimos, o que nos importa é mais importante e especial do que nunca – é isso que nos distingue e que nos faz sermos diferenciadores com algum acrescento no nosso conteúdo.

Por isso mesmo, se me faz sentido continuar a ter presença no mundo dos blogs?

Claro que faz – eu sempre gostei de escrever, sempre quis escrever. Uma plataforma única como o Instagram talvez não me preencha na totalidade porque não me permite escrever tanto quanto quero – mas, paralelamente, deixa-me partilhar imagens que vou criando along the way.

Com isto, quero dizer que sinto que já não estamos naquela fase em que é necessário chegar a todo o lado e bater em todas as frentes. Até porque, lá está, há espaço para todo o conteúdo nas mais diversas plataformas. Acho que estamos numa fase de criar menos conteúdo mas com uma melhor qualidade. E não tem que ser necessariamente super bem fotografado ou filmado, mas sim criado a pensar no que queremos comunicar, como queremos comunicar e para quem queremos comunicar – pensado ao pormenor. Até porque como consumidoras, sabemos que cada vez menos dedicamos tempo ao que não nos interessa.

Por mim falo – lembro-me da era em que fazia scroll no Instagram e dava like em tudo, tudo, TUDO! Hoje sou muito mais restrita e dei por mim até a fazer uma limpeza nas contas que sigo porque sinto que já nem chego ao que realmente gosto, ao conteúdo que quero ver segundo os meus critérios. E tal como eu, sei que muitas de vós também o fazem – daí a importância do bom conteúdo, com uma boa curadoria e com a qualidade merecida.

10 anos depois, como vejo o mundo dos blogs? - Malmequer

E porque é que surge esta conversa?

Porque ao fim de dez anos ainda questiono o que fará sentido trazer para o Malmequer e para este mundo dos blogs, embora chegue sempre à mesma conclusão. Faz sentido partilhar o que me preenche, o que eu quero partilhar e a voz que eu quero ter. E chegar aqui foi uma aprendizagem, sem dúvida. Mas acredito que as partilhas só porque sim, o apanhar o mesmo comboio que toda gente, o repetir fórmulas alheias já não funcionam – at least not for me.

E se isso significar continuar a falar dos meus queridinhos de beleza, das minhas inseguranças com a ansiedade, dos looks que vou fotografando por aí, so be it. Porque se for o que me faz sentido partilhar, será sempre o que mais me preenche mais do que aquilo que tenho que publicar só porque sim.

Estou curiosa para perceber o que aí vem. Sinto que tudo no digital e neste mundo dos blogs muda num piscar de olhos e não sei o que mais poderá aparecer – mas isso deixa-me entusiasmada! Vemo-nos por aí?

Tags