O

O amor de fotografar em analógico.

Porque fotografar em analogico - Malmequer

 

O meu amor ao analógico é muito antigo. Não me lembro qual a primeira máquina em que fotografei em analógico ou sequer o contexto em que o fiz… Mas, desde que me conheço como crescida, que me recordo de andar com uma das minhas máquinas fotográficas atrás – independentemente do momento. Lembro-me de comprar máquinas descartáveis apenas porque íamos de férias… Ou porque davam para fotografar debaixo de água!

Tenho fotografias intermináveis dos verões, dos festivais de música, dos passeios com os amigos e, especialmente, das viagens. E adoro perder horas sentada na beira da cama, com o cheiro das fotografias em papel e uma confusão de imagens à minha volta.

[twocol_one]O amor de fotografar em analógico. - Malmequer

[/twocol_one] [twocol_one_last]

Com o passar dos anos – e sem vos conseguir explicar o porquê – passei a fotografar em analógico apenas quando viajo… Acumulei fotografias de Londres, Paris, Marraquexe, Bogotá e, claro, Nova Iorque. E são, sem dúvida, as minhas memórias favoritas de todas as minhas viagens.

Mas porque é que eu fotografo em analógico? Há uns dias comentava que dei uso a três filmes quando estive em Nova Iorque – o que ronda as 90 e tal fotografias. E um colega meu dizia que, na sua última viagem, gastou um três ou quatro cartões de muitos GBs de fotografias – para cima de umas 500, dizia ele. A verdade é que eu até o entendo – o imediato do digital, do ver o resultado, de corrigir no momento quando algo corre mal.

Então mas e o preparar da fotografia? O pensar no detalhe, no pormenor, na luz, no enquadramento? O cuidado ao fazer a fotografia e a ansiedade de ver o resultado e ter que esperar. É incrível o quão digitais nos tornámos e como nos esquecemos destas sensações que, a mim, são tão especiais. And don’t get me wrong, eu gosto de fotografar digital e de editar as fotografias à minha maneira. Mas nada bate o resultado final, cru. O grão, sem edição, sem repetições porque o cabelinho ficou fora do sítio.

É o olhar para a fotografia com uma visão diferente e um olhar diferente. E, inevitavelmente, até a minha forma de fotografar muda quando o que tenho na mão é uma máquina analógica.

[/twocol_one_last]

Porquê é que vos estou a contar tudo isto? Porque vou tirar o pó às minhas babies e pô-las a uso. Já chega de estarem na prateleira e… há uma viagem a caminho! 🙂

O amor de fotografar em analógico. - Malmequer

CategoriesSem categoria
  1. Liliana aka Ofélia says:

    O analógico tem uma magia escondida. É uma arte. E quando revelas as tuas próprias fotografias ainda maior é o sentimento que nutres pelo teu trabalho. Ainda bem que voltaste a este campo, porque foi graças a ele que comecei a seguir este teu cantinho há uns 8 anos hehe

    Por aqui já não se pega numa câmera fotográfica, seja ela analógica ou digital há algum tempo, mas já andam ideias a germinar para o fazer novamente.

    ⚡️💜

  2. Helena says:

    Olá Mafalda 🙂 qual é a máquina analogica que usas? Também gostaria de perguntar-te se é possivél seguir o teu instagram? Já sigo o blog há imenso tempo mas nunca pude ver teu insta. Obrigada 🙂

  3. Mafalda says:

    Olá Helena!

    Uso várias. Mas, ultimamente, a Zenit 122k. 🙂
    Quanto ao instagram, claro que sim. Tens o link em várias zonas aqui no blog, mas basta procurares por @mafalda_beirao! 🙂

    Beijinhos

  4. Mafalda says:

    Liliana,

    A sério!? Foi por causa do analógico que chegaste até mim? Não acredito! Tão bom! <3 <3
    E vá, está na altura de pegares na máquina e ires fotografar!

    Vá, vá!

    Beijinhos, querida!

  5. Rafael Santos says:

    que texto maravilhoso! Fotografo em digital deste 2012, hoje agarrei num rolo comprei uma bateria e peguei numa minolta antiga que estava parada desde 2000, estou a meio do rolo praticamente e em cada foto tenho sentido um gosto muito especial, desejoso de ver as fotos, mas incrivelmente surpreendido com estas novas sensações.

Comments are closed.