Partilhei pelo meu Instagram a saga de compra-não-compra com o novo corrector de olheiras da Fenty Beauty, o Pro Filt’r Instant Retouch. Cruzei-me com ele pela primeira vez na Sephora do ECI, quando fui arranjar as sobrancelhas com a minha Carolina, e não resisti a testá-lo nas costas da mão. Já o tinha visto pelo Instagram da marca – onde a Rihanna é sempre a mais linda a testar estas coisas – e fiquei genuinamente curiosa para o testar.

Pro Filt'r: uma semana inteirinha a usá-lo. - Malmequer

Nas costas das mãos testei quatro tons diferentes – até porque é esse um dos diferenciais deste Pro Filt’r, a quantidade de tons que tem. São 50 tons que vão desde as peles mais clarinhas às mais escuras, para que não haja ninguém esquecido. Percebi que o meu tom seria o 200 (o ideal para peles claras a médias, com subtons mais frios) mas que, talvez, fosse um pouquinho mais seco do que aquilo que eu habitualmente costumo usar. E perguntei-vos, pelo Instagram, qual seria a vossa opinião.

Dura todo o dia, seca demasiado a olheira, não precisa de pó a segurar, é matificante, é muito simples de espalhar…

Confesso que não houve uma opinião consensual. Recebi mensagens de pessoas que o adoraram e que me recomendaram imenso a compra, mas também de quem o achasse demasiado seco e que não o têm como a primeira escolha no que toca a correctores. O importante aqui é, acima de tudo, percebermos que as nossas peles têm todas necessidades diferentes. E o facto de um produto ser perfeito para a nossa melhor amiga, não significa que na nossa pele vá ter o mesmo resulado ou que o adoremos da mesma forma. É também isso que quero que retirem da minha experiência com o Pro Filt’r da Fenty.

E porquê? Porque depois de o comprar, obriguei-me a usá-lo durante uma semana seguida, para perceber como me dava com ele e os resultados que teria ao longo do dia. Usei-o durante 5 dias de trabalho seguidos, sempre com bases diferentes para perceber como se comporta e tentei fotografar em diversas fases do dia para perceberem como fica nos meus olhos.

Jogando a honestidade para cima da mesa: comecei logo mal porque esqueci-me de fotografar a segunda-feira (#shame) e acabei a semana com uma crise de alergias linda que me colocou os olhos neste estado de cansaço. Mas vamos lá… O que usei e como reagiu este corretor na minha olheira:

  • Segunda-feira: Clarins Skin Illusion (o único que não está em fotografia)
  • Terça-feira: Bobbi Brown Skin Long-Wear Weightless
  • Quarta-feira: Burt’s Bees Goodness Glows
  • Quinta-feira: Lancome Teint Idole em stick
  • Sexta-feira: NARS Natural Radiant

Ou seja, tudo bases que eu uso habitualmente e que, por si só, são bastante hidratantes e conferem alguma luminosidade à pele – enquanto o Pro Filt’r da Fenty promete sim uma olheira matificada ao longo do dia. Mas, além disso, há uma outra constante: tentei sempre hidratar esta zona do rosto antes de aplicar a maquilhagem. Como me avisaram que este seria um corrector que seca a zona da olheira – e a minha não é propriamente a mais hidratada – resolvi jogar pelo seguro e apostar numa dose extra de hidratação.


E ao final de uma semana inteirinha, o que acho eu do novo corrector Pro Filt’r da Fenty Beauty?

Então… adorava dizer-vos que estou a amar este corretor e que se tornou no meu favorito, mas seria mentira. A verdade é que preciso de um corrector que, ao mesmo tempo que me tape as olheiras, me hidrate a pálpebra inferior. E este não o faz, de todo. 
Embora seja de alta cobertura, espalhe muito facilmente (side note: prefiro fazê-lo com uma esponja de maquilhagem para conferir um aspecto mais natural) e não seja necessário muito produto para cobrir toda a pálpebra, não consigo que dure todo o dia de forma imaculada porque, por ser pouco hidratante, sinto que a minha olheira o come. E faz com que ele vá acumulando e desaparecendo ao longo do dia.

Se, ainda assim, me deixa com olhos de panda? Não, é claro que não. E é um corrector incrível que faz o que cumpre na sua totalidade. Mas para a necessidade das minhas olheiras, vou tendencialmente optar por um mais hidratante como o All Hours da YSL ou o Stretch Concealer da Glossier.
Se o vou deixar no fundo da gaveta esquecido? Também não porque, lá está, ele é bom e cumpre o que promete, dando um resultado bem bonito ao olhar. Mas sempre que o usar, vou apostar numa hidratação extra da zona ocular e garantir que não preciso que a maquilhagem dure mais de 12 horas.

É a prova perfeita de um bom produto, mas que nem sempre funciona pelas necessidades da nossa pele. Pode não ser um queridinho. Mas será um amorzinho, vá.